presta contas ame
Quarta, 03 Janeiro 2018 08:16

Governo desiste de cortar gratificações da PM e do Corpo de Bombeiros, diz AME

Escrito por Wiliandro Derze, AC24horas.com
Avalie este item
(0 votos)

Depois de pressões da categoria dos policiais militares que gerou até o pedido de exoneração do coronel Ricardo Brandão que ocupava o cargo de subcomandante da Polícia Militar, o governador do Acre, Sebastião Viana, do PT, voltou atrás na decisão de aceitar a recomendação do MP Acre de cortar as gratificações dos militares. A informação é do sargento Joelson Dias, presidente da Associação dos Militares (AME), que confirmou a decisão do chefe do executivo estadual.

Segundo as associações que representam os policiais militares e bombeiros militares, os benéficos como sexta-parte salarial entre outras remunerações serão mantidas pelo Estado. A decisão veio após reunião com o procurador geral do MPAC, Oswaldo Da’Albuquerque, o secretário de segurança, Emylson Farias, a secretária de Estado de Gestão Administrativa, Sawana Carvalho e o comandante da Polícia Militar, coronel Júlio César.

Joelson Dias disse que o corte das gratificações seria falta de respeito com os miliares que tiram dinheiro do bolso para consertar viaturas para trabalhar. “Este Governo antes de anunciar os cortes de gratificações poderia ter sentado com a categoria e visto nosso posicionamento. E não acatar somente a recomendação do MP. Sabemos que a interpretação do MP foi equivocada, por isso a decisão foi revista e o governo voltou atrás”, destaca.

Para Joelson Dias, os militares ficaram desmotivados e isso afetou o trabalho. “Imagina quantos policiais militares passaram a vira de ano apreensivo com a retirada de parte de seus salários? Uma categoria que no meio de todo esse caos vem trabalhando, mesmo com a falta de estrutura para o exercício da profissão. Estamos há cinco anos sem receber fardamento, quando a lei estipula que devemos receber dois fardamentos por ano, enfatiza o presidente da AME.

O militar destaca que “vivenciamos dias que as viaturas não tinham combustível, policiais que tiravam dinheiro do bolso para consertar as motos quebradas. Não fizemos nada mais radical por respeito à sociedade. Quando o governo tenta retirar direitos nossos, ele não prejudica o governador que tem sua segurança, mas a sociedade”, relatou Dias, que confirmou que o secretário Emylson Farias teria garantido a permanência das gratificações dos militares.

De acordo com Joelson, a questão é vista pelos militares como uma situação política por parte de gestores do Estado e que a pressão da categoria acabou garantido que o Governo não cometesse mais um desrespeito com os militares do Estado do Acre.

A reportagem fez contato com a assessoria de imprensa da Secretaria de Segurança Pública que não respondeu até o fechamento desta matéria. O secretário Emylson Farias também não respondeu as mensagens e não atendeu as ligações da reportagem. O espaço ficará aberto para caso o secretário queira se pronunciar sobre o assunto.

Lido 244 vezes

banner ame filiada


catalogo convenio